PARTICIPAÇÃO NO TRIBUNAL DO JÚRI - ESTAGIÁRIO DA PROMOTORIA DE JUSTIÇA DE PAU DOS FERROS/RN-

PARTICIPAÇÃO NO TRIBUNAL DO JÚRI  - ESTAGIÁRIO DA PROMOTORIA DE JUSTIÇA DE PAU DOS FERROS/RN-
Agradecendo a DEUS a oportunidade de estar estagiando e podendo aprender e se preparar para o exercício da advocacia.

terça-feira, 3 de agosto de 2010

CRIAR PEIXES EM CATIVEIRO

Criar peixe em cativeiro tem potencial de crescimento no Brasil

Para obter o lucro com a aqüicultura ou criação de peixes em cativeiro, a atividade deve estar fundamentada em três pilares: local apropriado para a instalação dos tanques, solo com textura adequada, de preferência argiloso, fontes que possam abastecer o tanque por gravidade e principalmente, água de boa qualidade.

Segundo os pesquisadores da Embrapa Amazônia Ocidental, o sucesso da aqüicultura é a profissionalização da atividade, coisa que já começa a acontecer em algumas regiões brasileiras, principalmente na Amazônia, onde os produtores locais estão investindo e obtendo ótimos retornos nos últimos dez anos.

Além disso, o panorama atual é bastante propício para a aqüicultura, porque já se encontram no mercado todos os insumos necessários para a criação de peixes em cativeiro, como boa disponibilidade de alevinos, indústria de equipamentos, de produtos químicos, calcário, fábricas de ração, além da demanda cada vez maior da população por uma alimentação saudável baseada no consumo de peixes.

O pesquisador da Embrapa Amazônia Ocidental, Roger Crescêncio, orienta os produtores interessados em investir em projetos de piscicultura a verificar se o terreno é propício, certificando-se principalmente quanto à disponibilidade de água suficiente para viabilizar a atividade. “Cada vez mais muitas pessoas trocam atividades agropecuárias pela piscicultura, principalmente pelo lucro que ela propicia quando comparado com outras atividades”, informa Crescêncio. Mas é preciso destacar que o produtor precisa dispor de recursos para iniciar sua atividade de criação de peixes em cativeiro. Por isso é importante contar com a orientação técnica e partir de um planejamento bem feito.

“Uma das etapas importantes é procurar se informar, junto ao órgão estadual de meio-ambiente, que faz o licenciamento ambiental dessa atividade, sobre as maneiras de legalizar o negócio”, afirma Rodrigo Roubach, Gerente de Projetos da Diretoria de Desenvolvimento da Secretaria Especial de Aqüicultura e Pesca da Presidência da República.
(Redação do Nordeste Rural)

Nenhum comentário:

Postar um comentário